Cuidados ao comprar um barco usado incluem uma boa checagem nas velas, mastreação/ferragens, motor/ sistema de propulsão e casco/quilha (itens mais caros de uma embarcação) e itens também importantes como sistema elétrico e hidráulico, interior (madeiramento, cozinha, banheiro e cabines), instrumentos e salvatagem. Vale a pena, ao avaliar uma embarcação, contratar ainda um mecânico de sua confiança para uma inspeção no motor e reversor e fazer ainda um teste de vela. É importante também procurar saber todo o histórico do barco.

Depois de feito o dever de casa, pode se estimar quanto será necessário gastar para deixar a embarcação em perfeito estado de manutenção, para, com este laudo, negociar um preço mais justo.

Todo este cuidado talvez não fosse necessário se tivéssemos uma industria náutica de vela em pleno funcionamento. Infelizmente, devido aos altos e baixos da nossa economia, nossos principais estaleiros de vela faliram. Ficamos por um longo período sem estaleiros que produzissem barcos em série, com ganho de escala e, conseqüentemente, menores preços. Salvo raras exceções (parabéns a eles), poucos barcos foram produzidos no Brasil. O que se construiu no Brasil, durante este período de “vacas magras”, foi basicamente feito por encomenda.

Outro problema que restringiu e muito o crescimento do mercado de barcos à vela no Brasil, foi os altos custos para importação (IPI, ICMS e Imposto de Importação) que, de uma forma bem clara, tornou proibitivo a importação de barcos à vela para o Brasil. Para piorar ainda mais está situação, o Governo Lula, assim que tomou posse, criou os impostos PIS e Cofins, onerando ainda mais a importação e impossibilitando o que já era impossível. Outra medida implantada no governo Lula, para piorar ainda mais esta situação, foi o aumento do IPI para barcos acima de 40 pés sob a alegação de que embarcações acima de 40 pés são consideradas “artigo de luxo”.

Um fato que ajudou e ao mesmo tempo incrementou o mercado, foi a liminar para o não pagamento do ICMS,  entre os anos de 1999 e 2002. Várias embarcações importadas entraram no Brasil neste período, contribuindo para a melhoria do que era produzido aqui e melhorando também a percepção do mercado no quesito qualidade.

É claro que no nosso mercado atual existem também embarcações em perfeito estado de conservação e manutenção. Existem muitos barcos produzidos na decada de 80 que já passaram por uma reforma completa, isso para não chamar de restauração. Só para dar um exemplo, em qualquer país de primeiro mundo, recomenda-se a troca completa do estaiamento de uma embarcação à vela, acima dos 12 anos de idade. Deveríamos nos preocupar mais com o item manutenção por ela estar diretamente ligada a nossa segurança. Barcos que já passaram por uma reforma, têm garantido seu valor de revenda e são bem mais fáceis de se comercializar.

Bons ventos.

André Magalhães Homem de Mello – www.hmyachts.com.br e www.andrehm.com.br

Sailing Adventures – Cursos de Vela Oceânica – www.sailingadventures.com.br